A semente de linhaça é um alimento originário da planta do linho, pertencente a família das Lináceas. Seu consumo vem desde a Antiguidade, com indícios de sua utilização desde 5.000 A.C, na Mesopotâmia.

A linhaça é um alimento funcional, ou seja, pode contribuir para a prevenção de doenças crônicas e outros agravos à saúde, como doenças cardiovasculares,câncer, menopausa, arteriosclerose e constipação.

Variedades
Marrom: cultivada em regiões de clima quente e úmido, como o Brasil.

Dourada:
cultivada em regiões frias como o norte dos Estados Unidos e o Canadá. Possui quantidade maior de lignanas e sabor mais suave que a marrom.

Benefícios
Fibras:
contém fibras solúveis e insolúveis. Ideal para o bom funcionamento do intestino e controle das taxas de colesterol.

Ômegas 3 e 6:
são importantes na prevenção de doenças cardiovasculares, diminuição da taxa de triglicerídios, além de serem precursores de substâncias muito importantes na regulação do metabolismo hormonal. A linhaça contém 39% de óleo em sua composição, dos quais cerca de 70% são de ômega-3 e ômega-6.

Lignanas:
compostos fitoquímicos parecidos com o estrogênio, um hormônio feminino, que combatem os efeitos indesejáveis da menopausa.

Como consumir
Inteira: pronta para ser adicionada aos alimentos de sua preferência, como cereais matinais, massas de tortas, pães, bolos e biscoitos.

Moída: permite que os nutrientes sejam melhor aproveitados pelo organismo. É encontrada a venda já moída ou pode ser triturada no liquidificador doméstico. Pode ser adicionada à frutas, iogurtes, vitaminas, sopas e caldos.

Estas dicas não substituem uma consulta médica. As informações aqui divulgadas têm a função de fornecer uma orientação geral, o que pode não se aplicar a casos específicos. Consulte sempre a nutricionista clínica ou médico sobre quais alimentos são indicados em seu caso.